Partilhe

Depois de uma recuperação de desempenho no Japão, a Ferrari teve dificuldades em manter essa tendência nos Estados Unidos – Kimi Raikkonen abandonou depois de um erro numa troca de pneus, enquanto Sebastian Vettel terminou num distante quarto lugar. Como o chefe de equipa Maurizio Arrivabene admite, a sorte não esteve do lado deles – mas na sua opinião, Austin nunca iria provavelmente ser uma boa pista para a Scuderia.

P: Maurizio, como avalias o desempenho da Ferrari em Austin em comparação com a última corrida em Suzuka?

Maurizio Arrivabene: Esta é uma pista que privilegia o ‘downforce’ e não é comparável com Suzuka. Em Suzuka nós melhoramos um pouco, mas sabíamos que aqui não seria tão fácil. Mas na realidade o domingo não foi tão em comparação com sexta-feira ou sábado. Infelizmente não conseguimos tirar partido disso na corrida.

P: A paragem do Raikkonen foi uma falha no sistema ou um erro humano?

MA: Tivemos um problema com uma porca – e foi basicamente o fim da corrida para o Kimi.

P: O Kimi teve luz verde para ir mesmo com a roda mal apertada. Isso significa que têm de rever o sistema que têm atualmente?
MA: Não tem nada a ver com o sistema. Foi simplesmente um infortúnio.

P: Voltando ao desempenho do carro. Esta pista não é a única de alto downforce. Em Singapura estiveram bastante competitivos – então por que não aqui? Qual é a diferença?

MA: Bem, claro que sabíamos que esta pista não era a preferível para nós. Mas é preciso olhar para a situação geral: Se queres resolver os problemas este ano estás a perder tempo para o próximo ano.

E é por isso que nos temos concentrado em pistas de alto downforce como Suzuka – já que neste caso se usam partes que fornecem dados para o próximo ano. Nesta fase do campeonato qualquer outra coisa não faria sentido.

P: Então é correto interpretar do que acabaste de dizer que vocês trabalharam nos problemas com o elevado downforce completamente a pensar no próximo ano?

MA: Sim.

P: E quanto aos problemas de fiabilidade? O que aconteceu ao carro do Vettel no fim da corrida?

MA: Não houve problemas de fiabilidade. Ele tinha um pedaço de borracha na asa traseira. O Seb disse que não era fácil conduzir com esse problema. E tendo em conta a distância que ele tinha para o carro atrás, nós dissemos-lhe para entrar nas boxes – também para devolver confiança à equipa em termos de trocas de pneus.

Os nossos artigos mais recentes