Partilhe

Ross Brawn confessa que a razão por detrás da sua saída da Mercedes no final de 2013 foi por não poder confiar em Niki Lauda e Toto Wolff.

As passagens que se seguem são apenas algumas das muitas declarações que podem ser encontradas no seu novo livro, ‘Total Competition’.

“O que aconteceu na Mercedes foi que tive de trabalhar com quem eu não confiava.” 

“Eu nunca percebi muito bem o que é que eles estavam a tentar fazer. Por exemplo, o Niki [Lauda] dizia-me uma coisa e eu depois ouvia noutro lado que ele tinha dito algo diferente.” 

“Portanto comecei a lidar com pessoas em quem eu não podia confiar. Pessoas dentro da equipa, que já me tinham desapontado.”

“Depois, no inicio de 2013, descobri que o Paddy Lowe já tinha assinado contrato com a equipa. Quando confrontei o Niki e o Toto [Wolff], eles culparam-se um ao outro. Encontrei-me com eles para discutirmos o que se estava a passar e eles apontaram dedos um ao outro.” 

“Não podia confiar nestas pessoas, portanto não vi um futuro ali, a menos que entrasse em guerra para as remover.”

“Nunca tinha passado por algo semelhante e talvez eu não estivesse suficientemente apaixonado pelo projeto para ter que passar por isso.” 

“Um dos problemas nisso tudo foi que o Toto e o Niki tornaram-se acionistas, que representou uma decisão interessante por parte da Mercedes. Nunca percebi essa decisão.” 

“Eles queriam uma equipa de gestão comprometida e eu acho que eles achavam que por serem acionistas iam ser mais respeitados pela equipa.”

Os nossos artigos mais recentes